sábado, 29 de janeiro de 2011

Será que um rapper ajudará a Intel a ser mais criativa?

Ultimamente a Intel nomeou o homem à frente do Black Eyed Peas o famoso will.i.am como seudiretor de inovação criativa. Will.i.am tem estado na vanguarda da revolução digital na produção e distribuição de música. A Chief Marketing Officer da Intel Deborah Conrad disse que sua visão vai influenciar a pesquisa e desenvolvimento da Intel, bem como o branding. Ela disse "É uma espécie de um grande campo verde que vamos atravessar correndo, e eu não gostaria de colocar quaisquer limite nisto". (Ver reportagem)

A indústria da música passa por uma transição graças ao surgimento de uma diversidade de inovações nos modelos de negócio e tecnologias e o Black Eyed Peas com will.i.am tem conseguido se sair muito bem da encruzilhada e dilemas no setor.


A notícia mostra que de todas as alternativas disponíveis para lidar com a inovação a Intel mostra que não existem restrições, deixando claro que o princípio governante é que o setor de tecnologia é constantemente ameaçado pelas descontinuidades aceleradas e destrutivas da inovação e que é necessário agir experimentando coisa nunca pensadas. A Intel tem em seu currículo inovações emblemáticas e que dentro da classificação de Foster & Kaplan, o case Intel é de uma inovação transformacional e que se tornou um sucesso de como sobreviver no mundo das descontinuidades. Intel de cima a embaixo precisaram passar por uma mudança radical dos modelos mentais e reconhecer a realidade impiedosa da descontinuidade gerada pelos mercados. Resumindo Intel conseguiu sair vitorioso caindo fora do setor de memória DRAM (setor no qual era líder absoluto, altamente lucrativo e que comoditizou com a entrada dos fabricantes japoneses que inflacionaram o setor) entrando e tornando-se no novo e disruptivo fabricante de microprocessadores para PC´s.